sábado, 18 de julho de 2009

Alma de Ouro-de-tolo

Nós vivemos pela lei: Preocupe-se somente consigo, só se preocupe com seu bem-estar e se esforce bastante que um dia você chega lá.
É assim que tem que ser mesmo, pois desse modo separa-se o competente do incapaz, ou melhor, o joio do trigo. Se você conseguiu entrar em uma das melhores faculdades e outro cara não, é porque você se esforçou e logicamente é mais inteligente/capaz/competente que ele. O fato de você ter estudado em uma superescola particular caríssima e o outro cara ter sido instruído por professores despreparados e desmotivados na mais pública das escolas é apenas um detalhe sem importância.
Talvez nesse ponto do texto você esteja pensando: — Que cara estúpido! Isso é desculpa de perdedor! Eu estudei minha vida toda em escola pública e consegui entrar em uma excelente faculdade‼ Além disso, sua barba é horrível!
Eu digo em alto e bom som: Você é exceção. Você pode até dizer que conhece gente sem grana que conseguiu “vencer na vida”, mas eu conheço muito mais pessoas que mal têm o que comer. Saia na rua e veja se estou mentindo.
Voltando ao foco original de nossa discussão (nossa?), tudo estaria bem para você, terminou a facul, tem um belo emprego, muito dinheiro, um lindo carro, enfim chegou lá. Só tem um “pequeno” problema, não é nem o fato de ter se tornado completamente indiferente às mazelas de indivíduos da sua mesma espécie. A questão aqui é, o outro cara (lembra dele?) não passou em faculdade nenhuma, logo não tem emprego nem dinheiro, mas ele precisa comer, concorda? Então o cara pega uma arma, te pára no sinal, você reage — obviamente não ia deixar te tomarem o que conseguiu com tanto esforço —, toma um tiro e morre.
Vê onde quero chegar? Se o cara pudesse ter estudado em uma escola melhor, você ainda estaria vivo! Hoje os vencedores do jogo recebem todas as glórias, em contrapartida os “perdedores” são sumariamente excluídos. Só que é uma batalha injusta, enquanto uns conhecem as regras e têm as melhores cartas, a maioria nem sabe o que é um baralho.
P.S.: Minha barba não é horrível…
____________________
Fabiano Che

22 comentários:

Tiago Dadazio disse...

UMA VEZ MEU PAI COMPROU
AEHAEHAEHAE

A.C Once Caldas - SM disse...

UASHUASUASAUSUASUASUASUAUHSAUHS

uma vez o meu tmabem, que paia :P

Giuliano Marley disse...

Comprou o quê, afinal?

[…]

Mas… bem… relendo o texto… percebi que…

Só porque o cara não fez faculdade não quer dizer que ele vai sair pelas ruas com uma Desert Eagle nas mãos, parando e atirando em todos que fizeram [faculdade].


Hoje faculdade nem é lá essas coisas (referente a emprego). Pelo menos não nesse lugar chamado Brasil.

Um… médico… por exemplo. Apenas aqueles com dinheiro suficiente para montarem seus consultórios terão uma "vida boa". Os que não têm viram escravos do governo, ganhando uma miséria depois de ter estudado de manhã, à tarde e à noite por quatro anos.

Tu que não faças tua faculdade e continue a sua maldita luta, não. Esse meu discurso não é "preocupe-se-somente-consigo-só-se-preocupe-com-seu-bem-estar-e-se-esforce-bastante-que-um-dia-você-chega-lá". Pelo contrário. Digo apenas que você colhe o que você planta. Não fique em frente ao computador, coçando sua barba, reclamando que o mundo é cruel. Lute bravamente como um guerreiro e tire forças das lições aprendidas nas derrotas.

P.S.: deve estar me odiando agora… Mas e daí? Só estou tentando fazer de você um homem!

Fabiano Che disse...

Será que meu pai também comprou?
(onomatopeia de risada idiota)


Não quis dizer que todo mundo que não faz faculdade se torna fora-da-lei, e muito menos que faculdade é promessa de emprego.

Foi apenas um recurso linguístico utilizado para (tentar) demonstrar que enquanto certas pessoas "vencem na vida" honestamente, outras não têm a mesma sorte e acabam sendo levadas para o lado crminoso da força.

Pra ficar mais simples pra você entender Giuliano, digamos que eu simplifiquei um dos aspectos da nossa sociedade. Ficaria muito enfadonho de minha parte postar um texto que explicasse detalhadamente meu ponto de vista. Por isso resolvi abreviar o post utilizando de chavões como fazer "faculdade= vencer na vida" dentre outros.

Pensei que você entenderia...

P.S.: não te odiaria por isso, talvez se você me dissesse que é um Peesidebista imundo ou que Engenheiros do Hawaii é ruim, aí eu te odiaria com todas as minhas forças.

P.S do P.S: não me lembrei de nenhuma piadinha melhor pra colocar no P.S. Ahh não me julgue seu maldito iraquiano!!

Vanessa Gomes. disse...

"Porque foi tão fácil conseguir
E agora eu me pergunto "e daí?"
Eu tenho uma porção
De coisas grandes prá conquistar
E eu não posso ficar aí parado..."
-Ouro de tolo, Raul.

É verdade... e aos que não são miseráveis nem abastados, o que lhe resta? Os impostos. Os malditos impostos.

P.S. Nada foi fácil pra eu conseguir. Não é nada fácil, IUAhoaihaouha...

P.S.2. Em resposta. Aquele texto foi de hoje. =) E não, eu estou longe do que éser triste.

http://www.aumentavisitas.com.br/blog/?p=9 disse...

Michael Jackson está em tudo agora. Absolutamente tudo!

é questão de tempo para ele desaparecer igual todos os famosos.

Giuliano Marley disse...

"não passou em faculdade nenhuma, logo não tem emprego nem dinheiro,"

Que sofista! QUE SOFISMA! Que é de Sofia?

Felipe disse...

Tudo o que vc disse faz todo o sentido. De fato... Se o bandido de hoje tivesse oportunidade de ter estudado pelo menos numa escola boa, com bons professores e boa educação, talvez não estaria no mundo do crime.

http://cerebro-musical.blogspot.com

Welma disse...

Creio que entrar na criminalidade tem muito mais com formação/valores do que com ter ou não vencido na diva/feito faculdade. Repare no pessoal de colarinho branco....

P.S.: se vc dizer que os pobrinhos que não tiveram chence na vida não entram na criminalidade pq assim foram domesticados pelo sistema eu juro que contrato UNIVERSITÁRIOS para te assaltarem, te espancarem e ainda rancar essa sua barba! rsrs

Giuliano Marley disse...

Está vendo? Duas pessoas não podem estar erradas… o.O

Fabiano Che disse...

Repetindo, não quis dizer que todo mundo que não faz faculdade se torna fora-da-lei, e muito menos que faculdade é promessa de emprego.

Estava usando de clichês para tentar mostrar que a sociedade ao excluir uma parcela da população acaba por gerar criminosos. Criminosos estes que uma hora ou outra vão acabar atacando os que "chegaram lá".

Eu usei de hipérboles e chavões para tentar mostrar isso Não estava sendo literal. Alguém aí concorda comigo? Digam que sim.

Ailton é minha última esperança. Mostre pra eles que estou certo!!

Mari Pinheiro disse...

Seus textos fazem pensar demais!
Interessante. Gostei.
Ah, concordo com você.

Mas.. e os colarinhos brancos[/welma]? Tem gente que nasce pra isso.

Ailton disse...

Ficou grande, se alguem estiver disposto, fique a vontade.

Ao que parece Fabiano pretendeu dizer que, os fatores que levam as pessoas à marginalidade (marginalidade no sentido de assaltos simples, como estamos acostumados a imaginar) são as baixas condições econômicas e o descaso do estado ou sociedade governante, como preferirem.

E o fato de exemplificar a faculdade ou ausência dela é irrelevante. Foi apenas um exemplo, que não deveria ser o único foco de discussão do texto. Pois, obviamente, não são todos os pobres e excluídos socialmente que se tornam marginais. Mas o fato é que, a maior parte dos criminosos que assaltam as pessoas no sinal são, em sua grande maioria, pessoas que cresceram nas periferias e favelas, sem as condições mínimas para uma boa formação. Já que, por lógica, se tivessem uma boa formação e optassem por roubar, não seriam assaltantes de sinal, mas sim políticos e adjacências. Ninguém de bom senso desperdiçaria suas habilidades em roubos como esse.

Usarei um chavão, como os de Fabiano. Se nós, pedantes de primeira, nascêssemos no complexo do alemão, no Rio de Janeiro, teríamos uma maior probabilidade de entrar na vida do crime. Devido ao baixo nível da escolaridade e a alta criminalidade do local. Sem falar do descaso político naquela região. E se alguém pensar em dizer o obvio de: “Nem todo mundo que nasce no morro do Alemão se torna criminoso!” Claro que não.

Mas somos produto do nosso meio. E mesmo que não nos tornássemos marginais, o nosso baixo nível escolar não daria muitas condições de conseguir um “emprego digno” na sociedade. Apenas profissões de “baixa importância” (na ótica preconceituosa que costumamos usar). Há exceções, como disse Fabiano, mas são apenas casos isolados e não números consideráveis.

Mas como não nascemos lá, e graças às condições propícias na nossa formação pessoal, podemos nos tornar pedante. Esta confortável posição de falar de qualquer coisa sem saber, realmente, do que falamos. Ahhhh como isso é bom!

Ailton disse...

E quanto ao que Welma mencionou, sobre a criminalidade estar mais relacionada à questão de formação de valores. Ora... Até onde eu sei (sou pedante, portanto falo do que suponho saber), nas favelas e periferias, onde a violência existe em níveis absurdos, os valores não servem muito. Quando não se tem um respaldo social, as POUCAS alternativas levam o homem a abandonar os seus princípios, quando os tem.

O homem é circunstancial, e a depender da conveniência ou necessidade. Podemos largar o que aprendemos.

E a questão do colarinho branco. Parece ser um fator diferente do mencionado por Fabiano. Pois também é lógico que conhecimento e dinheiro não significa ser honesto e virtuoso. Apenas que as possibilidades de assaltar no sinal, são mínimas.

Ailton disse...

Giuliano,

Pelo seu comentário, suponho que você esteja fazendo uma faculdade. Que você não fica apenas em frente do seu computador, enrolando os seus cachos, fazendo analises de situações, a maioria das quais você não vive. E que, diferentemente de min, você faça alguma coisa, além textos. Para falar a verdade nem textos eu faço.

Suponho também que você luta bravamente como um guerreiro, tirando forças das lições aprendidas nas derrotas.

Tento seguir o seguinte raciocínio: só damos conselhos, quando os seguimos (espero que você também siga nessa linha de pensamento).

Se for assim, Parabéns! Você não é pedante. Faz exatamente o que prega.


E concordo com você, uma pessoa colhe o que planta. Só há um detalhe que deveria ser acrescentado. Enquanto alguns recebem sementes nobres, como Orquídeas e Petúnias. Outros só têm conhecimento e recebem Urtigas e Ervas Daninhas.


P.S.: deve estar me odiando agora… Mas e daí? Só estou tentando fazer de você um homem!

Robson Ribeiro disse...

Olá!

Parabéns pelo Blogue!
Muito bom mesmo.

Gostei muito e já votei no TopBlog.
Estou concorrendo também com o www.poesiaemblog.blogspot.com, e aguardo sua visita e o seu voto.

Grande Abraço

A.Tapadinhas disse...

Ainda não nascemos e já alguns estão em inferioridade...

António

Giuliano Marley disse...

Ailton, você é um pedante. (Deve estar me odiando agora… Mas e daí? Só estou tentando fazer de você um homem!)

Caramba, até que enfim uma discussão quente, sem ter gente puxando o saco um dos outros… Que ótimo! Houve quem concordou e quem discordou. Que lindo. Merece até uma foto. (Snif!)

Mas chega de viadagem. E, sim. Sigo o que digo. Do contrário, seria um hipócrita. E eu odeio hipócritas. Mato todos eles com clipes de papel. Seria estranho os CSIs encontrarem um suicida com um clipe de papel na jugular, com a web cam transmitindo tudo para os milhões de pessoas com algum tipo de parafilia.

***

"Giuliano saiu de licença. Prevê-se que só voltará em meados de agosto."

Giuliano Marley disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mário Lauro disse...

Olá,
Estou também participando do prêmio "TOP BLOG" categoria esporte e estou fazendo campanha voto a voto. Gostei do seu blog e já votei nele. Se você gostou do meu, solicito seu voto.
Abs,
Mário Lauro
http://mariolauro.blogspot.com

Pedro Ivo disse...

Este post não se aplica às excessões, certo? Ainda estou vivo, sadio, com um português maravilhoso e sem faculdade.

Heh!

Juliana disse...

isso me fez lembrar meu ex, que veio me dizer de boca cheia que passou numa federal vindo de pública, sendo que eu tô a dois anos fazendo cursinho e não passei no que quero.

bom, da próxima vez espero que não me faça lembrar desse infeliz.

quanto ao mais, gostei.
=)