domingo, 12 de julho de 2009

A Necrofilia da Arte

No quarto dia, do primeiro mês, do duo-milésimo nono ano do atual — e falível — calendário, o Atestado Pedante fora criado. E junto com sua criação estava o forte desejo de Giuliano Marley em escrever sobre a necrofilia da arte.

Na ocasião, esse escutara uma canção de mesmo nome da banda Pato Fu. Só que ele não satisfez esse seu desejo de aspirante a escritor. Carecia de fontes. As arrogantes e impacientes pessoas de mais idade não colaboraram com ele, deixando em suas mãos um texto simplesmente sem crédito, sem fontes confiáveis, como na Wikipédia. Preferiu não falar sobre as duras críticas que Raul Seixas e Renato Russo — por exemplo — recebiam antes de suas mortes e que, no entanto, se tornaram ídolos desses mesmos críticos, só porque os coitadinhos morreram.

Ele viu que essa música — que cita ainda John Lennon, Bob Marley e Elvis Presley — se tratava de algo realmente verdadeiro. As pessoas não estão nem aí para os artistas que expõem seus sublimes sentimentos. A menos, é claro, que esses estejam mortos.
Isso é mau, isso é mau!

Mas agora pude ver que as pessoas são mesmo loucas! Antes de seu falecimento, Michael Jackson era torturado, massacrado, humilhado por seu comportamento excêntrico e por sua aparência. Menciono ainda sua posição de réu num dos quase infalíveis tribunais do mundo, sob a acusação de pedofilia. Ele foi bombardeado… Seus ossos foram roídos pelos abutres julgadores, mesmo tendo sido inocentado. Não digo nem que “sim” nem que “não” quanto à sua culpa. Digo apenas que esses sujeitos que exploraram da sua caminhada sob brasas agora estão venerando-o. Agora ele é o rei do pop, o inesquecível, que tem seu nome bradado por hipócritas negadores da bondade humana.

Michael Jackson está em tudo agora. Absolutamente tudo! Creio que tenha sido assim com o demente chamado Raul, com o viado chamado Renato, com o maconheiro chamado Marley… E continuará assim para todo o sempre, toda essa hipocrisia, tanto na arte — musical, de acordo com a limitação do atual texto —, tanto na arte de uma maneira abrangente — onde quadros valem milhões apenas quando o pintor já padeceu —, tanto em quaisquer outras situações de nossas insignificantes e falíveis vidas.
____________________
Giuliano Marley

12 comentários:

Felipe disse...

De fato, Michael agora é venerado por aqueles que um dia quiseram sua cabeça empalhada na parede de sua sala de estar. Bando de Hipocritas arrogantes... Isso que são e que somos! Porque apesar de criticarmos eles, somos iguais em alguns pontos!

http://cerebro-musical.blogspot.com

Vanessa Gomes. disse...

"Digo apenas que esses sujeitos que exploraram da sua caminhada sob brasas agora estão venerando-o."

Não quero aqui defender, mas é certo que eu já ouvi bastante o rei do pop, principalmente na infância, quando a minha mãe ainda ouvia. Parece que com a morte vem o heroísmo dos artistas. Por isso vou ser cientista.

Vai entender...

william disse...

Pois é!
Então faça sucesso como Chico Xavier, só que tenha especialidade em espíritos famosos!

Enquanto vivas, as pessoas são mortais, depois que morrem são imortais. Que engraçado! rs

Juliana disse...

acho que depois que eles morrem, as pessoas percebem o quanto perderam em somente criticá-los...

ou não.

Vanessa Gomes. disse...

Ah, Giuliano. O teu comentário sobre "Marília" foi o melhor.
;)

Vinicius Bento @ disse...

Perceberam que ele era bom depois que ele morreu... antes só viviam criticando: NOSSA, O QUE ELE FEZ NO NARIZ ? E ESSA PELE ?, bando de inútil.

Welma disse...

Michael, Michael... They don't really care about us!


Esse espaço está a cada dia melhor rapazes, parabêns!

Welma disse...

Michael, Michael... They don't really care about us!


Esse espaço está a cada dia melhor rapazes, parabêns!

Vanessa Gomes. disse...

Giuliano, meu caro. Sobre o seu comentário no meu texto "Sobre livros. Sob frio.", eu realmente nem sei o que dizer. Só tenho a admitir que fiquei com um sorriso largo de orelha a orelha. Eu tenho tantos textos nesse estilo, altamente descritivos. Mas eu sempre penso que são enfadonhos.

Juliana disse...

fico feliz por ter impedido que vc transmita seu pedantismo pelas próximas gerações...
;p

Nicácio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nicácio disse...

Pena que a necrofilia não funcionou pra Mercedes Sosa, ela não tem um trunfo como o Moonwalker e é difícil fazer-lhe alguma crítica em alguma coisa fora o avolumado papo dos últimos tempos certamente devido a problemas de rins. Não funcionou também pra Itamar Assumpção. O que me faz pensar que até os mortos que se deve adorar são ditados pela caixinha.