sexta-feira, 20 de março de 2009

A Dança

Estava chegando o dia do baile das crianças da 4ª série e todos da classe estavam procurando por um par.
Enquanto isso, no recreio, uma menina caucasiana da turma está sentada num banco, cabisbaixa. Seu colega, um menino afro-descendente, se aproxima e lhe convida pro baile.
— Quer ir ao baile comigo? — ele pergunta.
— Não! Eu nunca iria ao baile com um preto como você. — responde ela.
A caucasiana sai e o afro-descendente fica sentado, cabisbaixo. Sua colega, uma menina acima do peso, se aproxima e lhe convida pro baile.
— Quer ir ao baile comigo? — ela pergunta.
— Não! Eu nunca iria ao baile com uma balofa como você. — responde ele.
O afro-descendente sai e a “gordinha” fica sentada, cabisbaixa. Seu colega, um menino de óculos, se aproxima e lhe convida pro baile.
— Quer ir ao baile comigo? — ele pergunta.
— Não! Eu nunca iria ao baile com um nerd quatro-olhos como você. — responde ela.
A “gordinha” sai e o garoto de óculos fica sentado, cabisbaixo. Sua colega, uma garota de grande estatura, se aproxima e lhe convida pro baile.
— Quer ir ao baile comigo? — ela pergunta.
— Não! Eu nunca iria ao baile com uma girafa como você. — responde ele.
O garoto de óculos sai e a garota alta fica sentada, cabisbaixa. Seu colega, um menino efeminado, se aproxima e lhe convida pro baile.
— Quer ir ao baile comigo? — ele pergunta.
— Não! Eu nunca iria ao baile com uma bicha como você. — responde ela.
A garota alta sai e o menino efeminado fica sentado, cabisbaixo. Sua colega, uma menina iraquiana do intercâmbio, se aproxima e lhe convida pro baile.
— Quer ir ao baile comigo? — ela pergunta.
— Não! Eu nunca iria ao baile com uma garota-bomba como você. — responde ele.
O menino efeminado sai e a iraquiana fica sentada, cabisbaixa. Seu colega, um garoto de um braço só, se aproxima e lhe convida pro baile.
— Quer ir ao baile comigo? — ele pergunta.
— Não! Eu nunca iria ao baile com um aleijado como você. — responde ela.
A iraquiana sai e o menino deficiente físico fica sentado, cabisbaixo. Sua colega, uma menina humilde, se aproxima e lhe convida pro baile.
— Quer ir ao baile comigo? — ela pergunta.
— Não! Eu nunca iria ao baile com uma favelada como você. — responde ele.
O garoto deficiente sai e a garota socialmente desfavorecida fica sentada, cabisbaixa. Seu colega, o menino mais novo da turma, se aproxima e lhe convida pro baile.
— Quer ir ao baile comigo? — ele pergunta.
— Não! Eu nunca iria ao baile com um pivete como você. — responde ela.
A garota pobre sai e o menino mais novo fica sentado, cabisbaixo. Sua colega, uma menina caucasiana, se aproxima e lhe convida pro baile.
— Quer ir ao baile comigo? — ela pergunta.
— Não! Eu nunca iria ao baile com uma branquela de merda como você. — responde ele.
O jovem garoto sai e a caucasiana fica sentada, cabisbaixa.

3 comentários:

william disse...

That is cool!

O ciclo se quebra quando alguém abre a mente.

Welma disse...

Infelizmente o ciclo quase nunca se quebra. Há sempre um outro colégio com outras criancinhas iguais e estas e que se encontrarão em algum momento da vida. Casamento dos iguais, filhinhos iguais aos pais e a quadrilha continua....

Móó legal disse...

i liked it
acho difícil o clico se quebrar...
=//